Notícia

[Caixa não oferece estrutura para PCD's. Descaso]

Caixa não oferece estrutura para PCD's. Descaso

Postado dia: 09/10/2019 - 11:26

Ao invés de fazer só propaganda de que vai contratar dois mil PCD's aprovados no concurso público de 2014 até o fim do ano, a direção da Caixa deveria investir em sistemas e suportes adequados para os empregados acometidos por casos mais crônicos de deficiência. É o caso dos trabalhadores com deficiências sensoriais, auditivas e visuais.


A falta de estrutura adequada gera diversos problemas para o desenvolvimento do trabalho nas agências. Um deles é o Jaws, leitor de tela para pessoas com deficiência visual esperado há cerca de dois anos. Também faltam alto-falantes internos e externos nos elevadores para informar o andar e para onde vai. 


Quem tem deficiência auditiva severa e profunda costuma realizar outras tarefas administrativas nas agências, pois com este grau de perda auditiva o atendimento à população e o uso do telefone ficam comprometidos. Desta forma, não encontra oportunidades de crescimento na empresa. Para piorar, nem todos os vídeos da Universidade Caixa têm legenda. 


Os PCDs contratados têm de passar por um processo como realização de exames médicos e entrega de documentos. Por três meses, estão no estágio probatório, que é o período o qual podem ser dispensadas.


Além da falta de estrutura, o banco 100% público não possui política de promoção para PCDs. A contratação dos aprovados no concurso é para cumprir ordem da Justiça através do artigo 93 da Lei 8.213/91. A norma prevê que empresas com mais de mil trabalhadores tenham 5% dos cargos ocupados por pessoas com deficiência ou reabilitados.