Notícia

[ Banco de Horas e saúde em debate com o BB]

Banco de Horas e saúde em debate com o BB

Postado dia: 11/07/2019 - 17:06

A pressão para adesão ao banco de horas, sofrida pelos funcionários das PSO (Plataforma de Suporte Operacional) do BB, preocupa a Comissão de Empresa, que cobra da direção da instituição mudança de conduta. Há denúncias de retaliações para aqueles que não aderem ao instrumento, como a transferência para outros municípios.


"A atitude é ilegal, pois fere o acordo coletivo de trabalho, que garante a livre adesão", destacou o diretor do Sindicato dos Bancários da Bahia, Fábio Ledo, durante a mesa temática de saúde, realizada quarta-feira (10/07), em Brasília. Os problemas não param por aí. Na Instrução Normativa 361, não consta que as horas serão convertidas em espécie depois de seis meses. O BB ficou de avaliar a revisão para adequar ao ACT.


Sobre a provisão das horas não folgadas, o Banco do Brasil informou que já existe e o primeiro pagamento sai na folha de agosto. As conversas foram muito além. Os funcionários denunciaram o uso do GDP (Gestão de Desempenho Profissional) como instrumento de ameaça de descomissionamento, piorando as condições de trabalho dos escritórios digitais. Para tratar sobre o assunto, a Comissão quer instalar uma mesa específica, conforme acordado na campanha salarial do ano passado.  


Dados de Saúde
A direção do BB divulgou ainda os dados sobre o PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional), feito de acordo a NR 7 (Norma Reguladora). Também fez uma apresentação do programa de Reinserção - Retorno ao Trabalho - e expôs os números compilados do EPS (Exame Periódico de Saúde) de 2018, que pode ser feito a cada dois anos para pessoas até 50 anos e sem doenças, mas a instituição realiza anualmente.


O crescimento do sobrepeso é o que mais chama atenção. A média no BB é maior do que a nacional. Estudos recentes mostram maior incidência de câncer entre as pessoas com sobrepeso do que as fumantes. O percentual bastante elevado de sedentarismo é outro agravante. 


O banco utiliza o EPS para rastrear sintomas de depressão, uma das doenças que mais atormenta o mundo moderno. A análise é feita por meio de um questionário, com duas perguntas. Com o resultado, o médico do trabalho faz o encaminhamento e acompanhamento.  


Por fim, a direção da empresa explicou a dinâmica do Programa de Reinserção, que acolhe o funcionário no retorno ao trabalho e afastado há algum tempo. O público alvo é o reabilitado do INSS, aquele que não tem benefício do INSS, que teve a suspensão da aposentadoria por invalidez, o aposentado afastado a mais de 90 dias e o funcionário que retorna e tem necessidade de adaptações.