Entrevista

Assédio Moral

Postado dia: 02/04/2009 - 00:00

O que é assédio moral e como com se configura?
Patrícia Ramos - É a exposição de trabalhadores e trabalhadoras a situações constrangedoras e humilhantes, de forma repetida e prolongada manifestada por atos, palavras e gestos que atentam contra a dignidade física, psíquica e a auto-estima das pessoas.

Quais são as principais formas de assédio e as situações de humilhação a que os bancários são expostos?
PR - No afã de conseguirem em suas agências o cumprimento das metas estabelecidas, as pessoas assediadoras passam a ter um comportamento antiprofissional, agressivo e de terror; hostilizando, inferiorizando e até desacreditando os/as  bancários/as submetendo-os a situações vexatórias, como pagamentos de prendas humilhantes, na frente da equipe de trabalho.

De que forma o trabalhador pode perceber que está sendo vítima de assédio e o que fazer nesse momento?
PR - A pessoa passa a perceber a partir da mudança de comportamento do/a assediador/a no modo de tratá-la e de se dirigir a ela, numa maneira mal educada, agressiva, ameaçadora e de forma cotidiana. A pessoa assediada deve a partir daí anotar com detalhes, todas as humilhações sofridas com dia mês e ano; hora local e setor; nome do/a agressor/a; testemunhas; conteúdo da conversa, enfim, tudo que achar necessário. Deve evitar conversar com o/a assediador/a sem testemunha; deve exigir por escrito explicações do ato do/a agressor/a, deve conversar com seus colegas de trabalho que viram o fato ou tenham também passado por isso, deve procurar apoio junto a sua família e principalmente buscar ajuda  no seu sindicato.

Como o Sindicato pode ajudar o trabalhador?
PR - Ao procurar o seu sindicato, o mesmo visitará sua agência realizando uma reunião, distribuindo materiais de prevenção ao assédio moral onde se possa mais uma vez fazer a abordagem de conscientização do que é o assédio moral no sentido de coibi-lo. Em o assédio for mantido outras ações serão efetuadas, até mesmo uma conversa com a direção do banco, para que a situação seja resolvida, porque, com certeza, nenhuma empresa gostará de ver seu nome numa situação de denúncia de assédio moral com risco de ação penal por conta de um mal profissional.

O assédio moral acontece da mesma forma para homens e mulheres?
PR - O assédio moral pode acontecer com qualquer pessoa. No caso do homem, pode se dar de maneira mais intensa se ele, por exemplo, for homossexual ou possuir algum tipo de limitação física ou de saúde. Nas mulheres as atitudes podem incluir a proibição de fala, a intimidação, a proibição de ir ao banheiro, a tentativa de minar sua auto-estima, a utilização de maneira negativa dos atestados apresentados por nós mulheres, quando da necessidade de atendermos nossos filhos/as e/ou familiares que dependem de nós.
 
Porque as mulheres são as principais vítimas?
PR - São as principais vítimas porque nossa cultura patriarcal e machista vê a mulher como algo de 2º escalão, como algo subalterno, como alguém que pertence ao sexo masculino e onde se pode exercer com mais força esse ato de mando e de poder. Ainda que representemos 50% da força de trabalho no Sistema Financeiro Nacional, a nossa participação ainda se dá em espaços menos privilegiados na estrutura de poder. São poucas as mulheres, por exemplo, em cargos de diretoria nesse segmento. Também recebemos menos que os homens porque conta dessa compreensão de que temos menos tempo para dar a empresa. Ainda que nossa participação seja nesse percentual ela se dá como uma forma de racionalização que objetiva o aumento da produtividade e a redução de custos.

O que motivou o Sindicato a lançar uma campanha de Combate ao Assédio Moral?
 PR - O hoje conhecido assédio moral é algo praticado desde quando existe o trabalho. A sua intensificação e sua amplitude se deu por conta da mudança na organização do trabalho que hoje privilegia mais do que nunca a competitividade e os interesses do mercado globalizado em detrimento do ser humano. As denúncias desse mal têm crescido a cada dia e isso foi o que nos levou a desenvolver uma campanha.

Como está funcionando a campanha?
PR - A campanha será de ação permanente e a principal ação é conscientizar os/as trabalhadores/as do que seja o assédio moral e como coibi-lo.Peças estão sendo construídas: cartilhas, praguinhas. Faremos reuniões nas agências bancárias; teremos informações permanentes na nossa página na Internet, realizaremos debates, seminários, atividades culturais, matérias nos nossos jornais, e procuraremos as regionais dos bancos para serem parceiras nessa ação porque nenhuma empresa gostará de ver seu nome envolvido numa ação de assédio moral e, portanto, pra elas há um interesse também dessa conscientização.

De que forma a categoria pode participar?
PR - A categoria pode participar agendando as visitas as agências, fazendo sugestões e principalmente continuando a denunciar esse ato desumano.