Artigo

Alentos democráticos

Postado dia: 13/01/2020 - 00:00

Diante de tanta sofrência com o neofascismo de Bolsonaro, Moro, Guedes, Witzel e Weintraub, entre outros adoradores e seguidores do lavajatismo e da ditadura civil militar (1964-1985), a semana começa com duas boas notícias. Fatos que servem para encorajar aqueles que acreditam na democracia e estão sempre em busca de meios e formas para fortalecer a resistência democrática.


Uma é a dura resposta dada a Moro pela jovem Renata Gomes, neta do coronel Antônio Alexandrino Correia Lima, da FEB (Força Expedicionária Brasileira), condecorado por heroísmo na II Guerra, cearense da cidade de Tauá, nordestino retado, que faleceu no dia 4 passado, em Fortaleza, aos 101 anos. “Meu avô abominava você e seu governo”.


Como é de costume no governo das fake news, o ex-juiz da Lava Jato, protagonista destacado do golpe jurídico-parlamentar-midiático de 2016, agora ministro da Justiça, tentou se aproveitar da morte, postando na internet foto com elogios ao militar. Não podia receber outra resposta, pois o coronel Alexandrino, como era chamado, colocou a vida em risco para combater exatamente o fascismo que agora Moro e Bolsonaro tentam impor ao Brasil disfarçado em novo figurino político e econômico. A resposta foi sensacional: “Meu avô abominava você e seu governo”.


A outra boa notícia é a entrevista ao Globo do governador do Maranhão. Flávio Dino demonstra sabedoria, lucidez e equilíbrio para ajudar a conduzir a resistência democrática. Sem dúvida é hoje uma das principais e brilhantes lideranças do campo progressista. Diz ser melhor Luciano Huck conversar com ele do que com Bolsonaro e confessa trocar idéias constantes com Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara Federal. Assume o compromisso de se empenhar pela formação de uma ampla frente, pluripartidária e multi-ideológica, em defesa da democracia.


Justamente por pensar assim, admite que embora a preferência na aliança política e eleitoral seja com Lula e o PT, isso não significa supremacia petista para impor condições e candidatos, tampouco fazer vetos. O governador do Maranhão faz uma análise bem coerente e realista da atual conjuntura brasileira.


Enfim, a semana começa com sinais incentivadores, os quais mostram que, apesar de toda força, violência e males causados pelo ultraliberalismo neofascista, o espírito democrático continua bem vivo e atuante na sociedade brasileira. Liberdades e direitos são conceitos indispensáveis ao processo civilizatório e à vida democrática. Cláusulas pétreas à noção de humanidade e de humanismo.


* Rogaciano Medeiros é jornalista, integrante do Movimento Comunicação pela Democracia