Artigo

A perversidade contra Lula

Postado dia: 13/08/2019 - 00:00

Álvaro Gomes*


O Brasil hoje enfrenta não apenas o retrocesso social no que diz respeito a economia e condições de vida do nosso povo, estamos vivendo “tempos sombrios”.  Quem está hoje no mais alto comando do país tem historicamente defendido propostas fascistas e de extermínio de pessoas. Um exemplo concreto, foi a decisão da juíza Carolina Lebbos dia 07/08/19 de transferir Lula de Curitiba para a penitenciária 2 de Tremembé em são Paulo.


O Supremo Tribunal Federal-STF por 10 votos contra 1 suspendeu essa decisão, sob forte pressão de partidos políticos e de dezenas de parlamentares.  Ao tentar colocar Lula, num presídio comum, onde estão aqueles suspeitos e condenados como assassinos brutais, estupradores, entre outros crimes, e que teve grande repercussão nacional, a Lava Jato buscou igualar o ex presidente a estes criminosos e assim decretar sua morte simbólica.  Mas além disso, a possibilidade real de sua eliminação física. 


Assim as propostas fascistas vão se colocando na ordem do dia. Buscam aniquilar a Liderança que tirou o Brasil do mapa da fome, melhorou a renda dos trabalhadores, gerou emprego ao ponto de vivermos um período de praticamente pleno emprego, colocou o Brasil num patamar de alta respeitabilidade no cenário internacional, aprimorou os instrumentos democráticos e fez o Brasil crescer beneficiando todos os segmentos da sociedade.


Era impensável o golpe de 2016, que derrubou Dilma da presidência da República sem ter cometido crime, aconteceu, ninguém acreditava na prisão de Lula, a Lava Jato para viabilizar a eleição de Bolsonaro e impedir que Lula concorresse as eleições, prendou o ex presidente sem nenhuma prova que justificasse sua prisão. Dessa forma as atrocidades do governo Bolsonaro vão acontecendo.


O atual governo federal busca atingir a democracia, implantar o terrorismo e eliminar aqueles que são considerados adversários. As diversas ações do governo Bolsonaro, expressa o prazer e o desejo de morte de quem pensa diferente, dos mais carentes, da população pobre e dos segmentos democráticos do nosso país. Essa perversidade não pode continuar.  A luta contra o fascismo, pela democracia e pelos direitos humanos é a mesma que exige Lula Livre.


*Álvaro Gomes- Diretor do Sindicato dos Bancários da Bahia e presidente do IAPAZ