Artigo

Brasil mostra a cara e ela não é bonita

Postado dia: 11/10/2018 - 00:00

O Brasil parece estar num fuso horário bem diferente do resto do mundo. Enquanto 46% dos brasileiros flertam com o fascismo no 1º turno das eleições de 2018, o mundo alerta sobre a onda conservadora que o Brasil pode ser acometido. Que o país está dividido está claro. O mais grave disso tudo, é que um lado defende a violência, reproduz discursos machistas, misóginos, racistas e todo tipo de ataque às minorias. Do outro lado, um representante com proposta de governo clara, com projetos educacionais, proteção às empresas públicas e, o que mais assusta os ricos, a reforma tributária.

Daí você começa a questionar o perfil desses 46% de eleitores e se recorda se da pesquisa global divulgada em 2017: Perigos da Percepção – Índice de percepção equivocada (IPSOS Perils of Perceptions). O estudo afirma que entre o Brasil fica em segundo lugar, em um total de 38 países, com a percepção mais errada sobre a própria realidade.

Pobre acha e pensa como rico. Negro que se diz branco, gay achando que homofobia é vitimismo, mulher dizendo que machismo não existe e por aí vai. O país tem 207 milhões de habitantes, mais de 14 milhões vivem na extrema pobreza, aumento de 11% em 2017, segundo levantamento divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

São pessoas que ganham em média R$ 133,00 por dia. Na classe E, aqueles que ganham até R$ 1.100,00 são quase 40 milhões, na classe D, com rendimento mensal até R$ 1.819,00, são quase 35 milhões, segundo pesquisa do Bradesco. Classe A e B juntas somam quase 21 milhões de pessoas. Ou seja, como um país que em a maioria passa dificuldades financeiras, com mais de 60 milhões de endividados, segundo o SPC, mais de 12 milhões desempregados, segundo o IBGE, pode apoiar um candidato com um projeto de governo que engloba esse contingente? O povo precisa de políticas públicas e econômicas, de educação e saúde de qualidade e não de alguém que os empurre ainda mais para a miséria. 

*Ilana Pêpe é estudante de jornalismo